12
02/16

As intenções da gigante do branding no mercado brasileiro.

Jacob Benbunan (Divulgação)

A Saffron Brand Consultants, uma das principais empresas globais de branding, anunciou sua chegada ao Brasil no inicio do ano. O escritório em São Paulo é a oitava unidade no mundo e foi viabilizado por meio de uma fusão com a agência brasileira BR Culture. Com o negócio, o sócio-fundador da BR Culture, Paulo Al Assal, lidera a operação da Saffron Brasil.

Inicialmente as duas marcas foram mantidas. A Saffron incorporou a área de branding da BR Culture, que por sua vez recebeu algumas ações de contas globais da Saffron como C&A, Turquia e Londres (país – country branding), Coca Cola, KPMG, Akzo Nobel, A1 Telecom, BBVA, Iberia, Electrolux e Scania. A marca BR Culture continua como agência de inovação.

Fundada em 2001 por Jacob Benbunan e Wally Olins (1930-2014) – este considerado um dos papas e fundadores do branding, a Saffron está entre as dez maiores consultorias de marca do mundo. Mas o que está por trás do interesse da empresa no potencial do mercado brasileiro? Como a Saffron faz a leitura do momento da comunicação no país?

Para entender essas e outras questões, o Adnews conversou com o CEO global, Jacob Benbunan:

Qual é o entendimento do Saffron sobre o nível de conhecimento e da prática do branding no Brasil?

Desde que Wally Olins e eu fundamos a Saffron, a pedra angular da nossa proposta era a profunda convicção de que o mundo não era unipolar ou bipolar, mas multipolar. Falamos de uma cultura ‘pós-colonial’. A Saffron entende que uma marca está enraizada na cultura do país, e é algo antropológico. Uma marca para o Brasil não pode ser criada em Madrid, Londres ou Nova York. Ela tem que ser criada no Brasil. A Saffron sabe muito, muitissimo sobre branding. Wally é, sem dúvida, o pai da indústria desde a abordagem holística e cultural a que me refiro. Porém, na Saffron, sabemos pouco sobre o Brasil. Por isso, a nossa estratégia é entrar nos países através de parceiros locais. A Saffron Brasil vai combinar o conhecimento local de Paulo e sua equipe a nossa expertise internacional.

Quais são os principais desafios e oportunidades deste primeiro momento de operações da empresa no país?

Logicamente, sabemos que ninguém está esperando por nós. E o nosso principal desafio agora é fazer com que a nossa abordagem e nossa filosofia se tornem conhecidos. Trazer pensamentos disruptivos para as marcas é o que fazemos. E acreditamos que isso seja extremamente necessário hoje em dia.

O que a empresa espera trazer de fora para o escritório paulista e o que espera levar de São Paulo para o resto do mundo?

Somos humildes, porém ambiciosos. Trazemos a experiência de ter trabalhado desde o Santander até o Google, Sodexo até a Scania, Tata até a Siemens ou KPMG até Baker & McKenzie. E estamos convencidos de que podemos contribuir muito com o mercado em São Paulo.

A empresa chega ao Brasil em parceria com qual agência? Já tem clientes definidos? Quais são?

Há alguns meses, Paulo está apresentando nosso know-how para clientes potenciais. Já trabalhamos com Sodexo e Santander no Brasil e estamos em negociações avançadas com outras empresas locais.

Como é chegar ao Brasil num momento economicamente conturbado para o país?

O país não atravessa o seu melhor momento, é verdade. Mas é neste momento que as empresas precisam considerar quem elas são, para quais clientes devem se dirigir e como devem se dirigir. Se o nosso trabalho fosse apenas desenhar gráficos e logos, o momento não poderia ser pior. Mas nosso trabalho não é isso. Ele é proporcionar aos nossos clientes ferramentas estratégicas para ter sucesso em um momento de constante disrupção.

-

Fonte: Adnews

12
02/16

Audi

12
02/16

Avianca “paga” o dobro da Gol pelas milhas em programa de fidelidade.

Avianca x Gol
(VEJA.com/VEJA)
tarja O QUE OS DADOS CONTAM
(VEJA.com/VEJA)

Levantamento inédito daMaxMilhas - plataforma on-line que facilita a compra e venda de milhas aéreas entre consumidores – revela que as companhias do setor atribuem valores bem diferentes aos créditos acumulados pelos participantes dos programas de fidelidade. O maior contraste é registrado entre a Avianca e a Gol: para a mesma quantidade de milhas, a primeira “paga”, em média, o dobro da segunda quando um consumidor afiliado quer trocar seu saldo por um bilhete de viagem. Os valores (confira no quadro abaixo) podem ajudar os consumidores a resolver um velho dilema: vale mais a pena trocar as milhas por passagem ou por outro produto aceito pelo programa?

O levantamento analisou dados (preços de passagens e quantidade de milhas necessárias à aquisição de um bilhete) provenientes das companhias relativos a cerca de 70.000 voos realizados em 2015. Só entram na conta bilhetes cujo resgate por milhas é vantajoso para os consumidores. Nos demais casos, o melhor negócio é mesmo recorrer ao marketplace da MaxMilhas e adquirir créditos de quem quer vender.

MaxMilhas para a série O que os dados contam
(VEJA.com/VEJA)

É simples participar do livre mercado. Quem tem pontos e quer fazer dinheiro (o vendedor), só precisa cadastrar suas milhas na plataforma e fixar um preço. O sistema informa as quatro ofertas mais baixas feitas por outros vendedores. O objetivo é não deixar ninguém “fora do mercado”.

Do outro lado, gente interessada em viajar (o comprador) busca na plataforma bilhetes para o destino desejado. Os resultados das pesquisas exibem informações (preço e milhas) sobre os voos oferecidos pelas companhias e, ao lado, quanto sairia a viagem comprando-se milhas do vendedor que oferece o menor preço. O comprador, então, pode escolher a melhor oferta. Negócio fechado e boa viagem.

Hoje, mais de 60.000 pessoas compram e/ou vendem milhas na plataforma, mas outras 50.000 já estão cadastradas. Circulam por ali mais de 4 milhões de reais por mês, e a empresa fica com um quarto disso. Cerca de 100 milhões de milhas estão à venda na MaxMilhas. É, segundo Max Oliveira, CEO e cofundador da MaxMilhas, o suficiente para 10.000 passagens nacionais.

O que determina o preço das milhas no mercado livre é o velho balé entre oferta e demanda. Já no caso dos valores “pagos” pelas companhias aéreas, entram outros fatores, segundo Oliveira. “Depende principalmente da disponibilidade de voos e da forma como cada companhia precifica seus voos em milhas. E isso varia no tempo”, diz. A Gol, por exemplo, oferece mais opções do que a Azul, então o preço “pago” pelas milhas cai. Na outra ponta, o programa de fidelidade da Avianca só tem parceria com Bradesco e Santander, o que torna as milhas da marca raras no mercado e eleva seu preço.

Avançando no mercado doméstico, a MaxMilhas quer agora voar para o exterior. A plataforma já abriu no marketplace espaço para milhas da American Airlines. Em breve, devem se unir a ela companhias como British, Delta, Singapore, Etihad e Qatar. “Os consumidores pedem”, diz Oliveira. Em 2017, a ideia é aterrissar nos Estados Unidos. “O mercado não é bem explorado lá fora. Operam apenas empresas fechadas de compra e venda.”

 

Fonte: Veja

12
02/16

Marcello Serpa receberá Leão de São Marcos, em Cannes.

O Cannes Lions Festival Internacional de Criatividade anunciou nesta quinta-feira 11 que Marcello Serpa será o homenageado do ano com o Leão de São Marcos. O prêmio reconhece profissionais da publicidade por suas contribuições criativas históricas com a indústria da comunicação.

“As realizações do Marcello são conhecidas em todo o mundo, mas, talvez mais notavelmente, foi responsável por levar para casa o primeiro Grand Prix da América Latina, em 1993”, afirmou Philip Thomas, CEO do Cannes Lions, citando o prêmio conquistado com campanha para Guaraná Antarctica.

Serpa, que receberá o Leão de São Marcos na cerimônia de premiação, em 25 de junho, tem longa relação com o Festival. Sob sua liderança, a AlmapBBDO conquistou por três vezes o título de Agência do Ano. Ao todo, ganhou mais de 160 Leões como diretor de arte e criação, segundo informações do evento – incluindo outro GP, em Press, com uma série de anúncios para a revista Billboard, em 2010. Serpa também já participou de quatro júris do Festival, duas vezes como presidente.

“Minha vida e carreira seriam completamente diferentes, e provavelmente um pouco chatas, se Cannes Lions não existisse. Essas pequenas escadas para o palco estão ligadas a mim e eu sempre assisti com inveja e admiração algumas lendas da criatividade ficarem no topo delas”, disse Serpa, em comunicado oficial. “Sinto-me honrado e extremamente feliz por ser reconhecido como um stand-out dentro da indústria. Este prêmio é como receber uma injeção de adrenalina diretamente no ego de qualquer pessoa.” Em agosto de 2015, Serpa, junto com seu sócio, JOsé Luiz Madeira, deixaram a Almap BBDO depois de 22 anos.

O Leão de São Marcos foi oferecido em Cannes pela primeira vez em 2011, para reconhecer a contribuição contínua de excelência na criatividade em comunicação. No ano inicial, o agraciado foi o fundador da BBH, John Hegarty.

Dan Wieden (fundador da Wieden + Kennedy), Lee Clow (chairman da TBWA\Media Arts Lab), Joe Pytka (director de cena) e Bob Greenberg (fundador da RG/A) foram os homenageados nos anos seguintes – uma lista restrita da qual agora Serpa também fará parte.

Além do Festival Internacional de Criatividade de Cannes, outra grande premiação mundial de publicidade já havia homenageado Marcello Serpa pela sua contribuição à propaganda. Em 2008, ele foi o primeiro brasileiro a receber o Live Archiement Award, concedido pelo Clio Awards. Em 2014, Washington Olivetto também recebeu o trofeu.

Fonte: Meio e Mensagem

12
02/16

Jurados brasileiros no Clio Awards.

Um dos festivais mais tradicionais da publicidade mundial, o CLIO Awards 2016 já está com os seus preparativos a todo vapor, incluindo as inscrições de peças, que já estão abertas para as agências de todo o mundo. Na edição deste ano, o mercado brasileiro estará bem representado.

Nas categorias Branded Entertainment e Branded Content, PJ Pereira, CCO & co-founder da Pereira O´Dell será o presidente do júri, que também conta com Marcelo Reis, sócio e co-presidente da Leo Burnett Tailor Made.

Luiz Sanches, sócio e diretor geral da AlmapBBDO, vai compor os júris de Print, Print Technique e Out of Home, enquanto Joanna Monteiro, CCO da FCB Brasil, vai julgar peças em  Digital/Mobile, Digital/Mobile Technique e Social Media.

Por fim, Daniel da Hora, Chief Creative Officer da DH,LO, será jurado nas categorias Audio, Audio Technique e Audio Hall of Fame.

A cerimônia de premiação do Clio Awards acontecerá no próximo dia 28 de setembro, em Nova York.

Fonte:  Adnews

12
02/16

Heads já tem Conselho Consultivo funcionando.

Claudio Loureiro, presidente da agência: "queremos extrair desses profissionais sua bagagem em gestão de grandes empresas"

Desde o início do ano, as reuniões de cúpula da Heads Propaganda passaram a contar com mais algumas cadeiras. Além dos sócios e diretores da agência, que têm a missão de definir as estratégias, calcular os desafios e planejar os trabalhos desenvolvidos para os clientes, três outros profissionais do mercado passaram a acompanhar a rotina dos negócios e tentar auxiliar as tomadas de decisões.

Chamado de conselho consultivo, esse grupo foi criado com a intenção de trazer olhares e percepções de profissionais de fora do ambiente criativo, que possuem vasta experiência na condução dos negócios de grandes empresas. “Estamos aprimorando nossa gestão corporativa. Queremos antecipar os movimentos e saber como nos posicionar diante do cenário econômico do País e por isso achamos interessante contar com a experiência desses profissionais”, conta Claudio Loureiro, fundador e presidente da Heads.

Quando surgiu a ideia da criação do conselho, há um ano, eles pensaram em profissionais do mercado que fossem adequados para o projeto. Posteriormente, o presidente da agência fez o convite para três executivos que, em sua opinião, tinham o perfil que idealizava. Líbano Barroso, vice-presidente de operações do GPA; Amaury Olsen (ex-presidente do Grupo Tigre e sócio fundador da Olsen Consultoria) e Luiz Fernando Giorgi (ex-presidente executivo da Suzano Holding e atual coach empresarial) aceitaram a proposta e já estão trabalhando para tentar ajudar a agência aprimorar seus processos de gestão.

O presidente da Heads ressalta que a atuação do conselho não será direcionada à área criativa. “Temos uma grande expertise em comunicação e profissionais de muito talento, que dominam plenamente o negócio. O que queremos extrair desses profissionais é sua bagagem na gestão de grandes empresas e aplicar alguns conceitos de administração e liderança que possam nos colocar em um patamar mais elevado, sobretudo em um cenário de crise econômica”, esclarece Claudio.


Fonte: Meio e Mensagem

12
02/16

No Rio, apuração dos desfiles das escolas de samba rende recorde de audiência à Globo.

A disputa apertada entre as escolas de samba do Rio de Janeiro, que rompeu o jejum de 14 anos da Mangueira, foi acompanhada de perto pelos cariocas. A apuração garantiu o recorde de audiência para as tardes da Globo neste ano.

Entre meio-dia e 18 horas, a emissora registrou 35 pontos no Rio, o equivalente a 68% dos televisores ligados. Na comparação com as quatro quartas-feiras anteriores, o aumento no Ibope foi de 16 pontos, com um ganho de 84% de participação.

Com menos entusiasmo, os paulistas também ficaram de olho na transmissão. Em São Paulo, o programa marcou 17 pontos de audiência, com ganho de 2 pontos – ou 13% de share – em relação à média do último mês para mesmo dia e horário.

 

Fonte: Radar Online.

 

COMENTÁRIO

A Globo e o Ibope não informaram audiência e share nas demais capitais brasileiras que são pesquisadas.

JJ

 

12
02/16

Churrascada de vegetarianos.


É mesmo o país do contrassenso. É o país onde todos odeiam os políticos mas adoram o governo.Todos sonham com um cargo de confiança, em ter um amigo vereador, deputado ou juiz. Ou melhor, passar em um concurso público e ter garantia de que seu fraco desempenho jamais será motivo de demissão. Os concursos públicos são mais concorridos que as vagas nas Universidades. Este país não evolui mesmo. Ou evolui como o canibal que passa a comer com garfo e faca.


12
02/16

Acura

12
02/16

SBT anuncia seus jurados para o Melhor Comercial do Brasil 2015.

SBT apresenta os 23 nomes que compõem o júri do prêmio O Melhor Comercial do Brasil 2015. Além de trazer representatividade entre as disciplinas, sobretudo da área de Criação, a lista é composta por profissionais que tiveram destaque nos últimos anos no mercado. O SBTtambém lança este ano O Melhor Comercial Regional do Brasil, que premiará o melhor filme regional, fazendo assim com que duas grandes campanhas sejam escolhidas: uma nacional e uma regional.  Os grandes vencedores (dupla de criação e anunciante) das duas categorias ganharão uma viagem em grande estilo para a França, para participar do Festival de Criatividade de Cannes, em junho deste ano.

Para Glen Valentediretor Comercial e de Marketing do SBT: “Consolidação e ampliação do prêmio, que este ano entra em sua 5ª edição, se deve principalmente pelo crivo e olhar desses profissionais que, ao longo do ano, participaram das grandes produções publicitárias do País. Manter a excelência no processo é fundamental para concretizar uma decisão tão importante, que é escolher o melhor filme de todos do ano”, declara.

O Melhor Comercial do Brasil ainda se diferencia pelo sério processo de votação, que envolve eleição prévia pela comissão interna, – composta por jornalistas, profissionais do mercado e do Marketing e Comercial do SBT – que analisam todos os filmes veiculados nacionalmente na emissora em 2015. Após essa primeira triagem, os finalistas seguem para a votação do júri de mercado, que selecionam na internet a shortlist dos 10 melhores. Já a categoria Regional contará com um corpo de júri para cada uma das cinco regiões do País. Cada um selecionará o melhor filme local, totalizando uma shortlist de 5 comerciais.

Por fim, a última votação acontece em abril, em evento em São Paulo, com a presença dos jurados e jornalistas dos principais veículos do País. No dia, serão escolhidos pelo júri nacional os dois grandes vencedores:O Melhor Comercial do Brasil 2015 e O Melhor Comercial Regional do Brasil 2015.

Nó último ano, o filme eleito foi “Compadre para Bom Negócio.com, com criação da agência NBS. Nos anos anteriores, venceram “Brasil 70” (Novo Fusca Volkswagen, criação da AlmapBBDO); “Tradutor” (AlmapBBDO para a Pepsi) e “Pôneis Malditos” (da Lew’Lara/TBWA para a Nissan).

Saiba mais em: www.omcdb.sbt.com.br

 

 

Confira a lista completa do jurados da edição de 2015:

 

Antonia Zobaran (NBS Rio de Janeiro);

Bruno Prosperi (AlmapBBDO);

Camila Rodrigues (J. Walter Thompson);

Emerson Braga (Propeg);

Erh Ray (BETC);

Fabio Mozeli (Neogama);

Felipe Luchi (Lew’Lara\TBWA);

Guilherme Jahara (F.biz);

Hugo Rodrigues (Publicis);

João Caetano Brasil (Leo Burnett Tailor Made);

Leo Macias (DDB Colombia);

Luiz Leite (Ogilvy);

Marcelo Conde (WMcann);

Mauro Rabello (Dentsu);

Paulo Henrique Gomes (Mood);

Paulo Sant´anna (DPZ&T);

Pedro Cruz (FCB Brasil);

Philippe Degen (Talent Brasil);

Renato Simões (Wieden+Kennedy);

Rodrigo Jatene (Grey Brasil);

Sophie Schoenburg (Pereira O´Dell);

Theo Rocha (F/Nazca);

Vitor Sant´anna (Y&R).

Página 5 de 3.590Primeira...4567...1015...Última