25
10/14
0
visualizações

VAMOS REFUNDAR O BRASIL E NÃO AFUNDÁ-LO.

Affonso Romano de Sant’Anna  declara na redes sociais

porque votará em Aécio Neves (PSDB):


“Tenho vários amigos petistas. No entanto, o PT desmoralizou-se

no poder. No segundo governo Lula, houve o ‘mensalão’, e o que

ocorre agora com a Petrobras é uma espécie de ‘mensalão dois’.

Ademais, o revezamento no poder é saudável para a democracia.

O Brasil está vivendo com Aécio uma espécie de refundação do país,

outra ‘diretas já’. Ele me pediu e fiz várias sugestões para a área

da cultura, que conheço bem”.

-

 

25
10/14
1
visualizações

Mancada da Globo, pró-Dilma…

A Globo divulgou erroneamente a pesquisa de intenção de votos para presidente da República no Jornal da Globo da madrugada desta terça-feira (21). No levantamento do Datafolha, encomendado pela emissora e pelo jornal Folha de S.Paulo, o total dos votos válidos de Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) na região Sudeste soma 102% (a porcentagem correta deveria ser 100%). A rede se equivocou e deu dois pontos percentuais a mais para a candidata petista.

No telejornal, o jornalista Heraldo Pereira exibiu em um telão as intenções de voto de cada candidato por região. No Sudeste, Dilma Rousseff apareceu com 46%, contra 56% de Aécio Neves, totalizando 102%. A soma, entretanto, não pode ultrapassar 100%. A pesquisa real mostra a petista com 44%. A porcentagem do candidato tucano está correta.

25
10/14
1
visualizações

 

25
10/14
3
visualizações

Advogado de Youssef garante que não se manifestou sobre as declarações do doleiro

O último dia útil antes das eleições foi bastante agitado, principalmente por conta da publicação de uma nova denúncia pela Revista Veja. Em sua edição desta sexta-feira (24), a revista traz uma matéria em que o doleiro Alberto Youssef confirma que Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Lula sabiam de todo o esquema envolvendo a Petrobras (PETR3PETR4).

Porém, a confusão começou com uma matéria do jornal O Globo, em que o advogado do doleiro, Antonio Figueiredo Basto, teria desmentido que o doleiro disse à Polícia Federal na última terça-feira sobre o envolvimento de Dilma e Lula nos esquemas. “Não conheço esse depoimento, não conheço o teor dele. Estou surpreso”, disse o advogado para o jornal.

“Conversei com todos da minha equipe e nenhum fala isso. Estamos perplexos e desconhecemos o que está acontecendo. É preciso ter cuidado porque está havendo muita especulação”, continuou Basto. “Nós não temos como pegar em mãos e não ficamos com cópia de nada. Então, não nego nem confirmo se esse depoimento é verdadeiro, se essa informação foi dada ou não e se sim, em quais circunstâncias”, diz a matéria do jornal.

Porém, a Veja também publicou uma entrevista com o advogado de Youssef em que ele diz que não pode comentar a matéria da revista, sem confirmar nem negar as palavras do doleiro. “Sobre a reportagem, o que eu disse é que não concordo com o vazamento dos depoimentos. Mas isso, num país que tem imprensa livre, cabe às autoridades investigar. A imprensa é livre para divulgar o que apura, mas não posso me manifestar sobre um conteúdo que é sigiloso, sobre o qual não tenho autorização para falar. A defesa sabe de tudo que é dito nos depoimentos, mas não se pronuncia nem para desmentir nem para confirmar”, afirmou Basto.

Ele evitou confirmar ou negar o que teria dito. “Eu acho que as minhas declarações estão sendo usadas politicamente. Não posso me manifestar sobre um fato que é sigiloso. Nunca desmenti a reportagem da revista. Eu não posso desmentir um fato sobre o qual não posso me manifestar”, disse o advogado.

Fonte: InfoMoney

25
10/14
3
visualizações

Chefão do PT pede a cabeça de jornalistas…Pode?

Alberto Cantalice, vice-presidente do PT, divulga no site do partido lista negra de jornalistas. Um assunto para a Justiça e para a Polícia Federal

Alberto Cantalice, vice-presidente do PT, divulga no site do partido lista

negra de jornalistas. Um assunto para a Justiça e para a Polícia Federal

 

*

Os petistas, saibam os senhores, pedem a cabeça de jornalistas para seus respectivos patrões. O partido tem nas mãos instrumentos para fazê-lo: anúncios da administração direta e propaganda de estatais. Alguns cedem, outros não! Denunciei aqui a fala de um certo José Trajano na ESPN e AFIRMEI QUE ELE NÃO ESTAVA PENSANDO APENAS POR SUA CABEÇA. DEIXEI CLARO QUE ELE VOCALIZAVA PALAVRAS DE ORDEM DO PT. Muitos não acreditaram. Pois é…

A opinião do sr. Trajano sobre mim e sobre os demais que ele atacou (Augusto Nunes, Diogo Mainardi e Demétrio Magnoli) pode ser moralmente criminosa, mas não vai além disto: dolo moral. Ele tem o direito de achar a respeito dos meus textos o que bem entender. E eu tenho o direito de responder. Se ele se sente bem com o seu oficialismo de contestação, aí é problema dele.

É diferente, no entanto, quando um político acusa jornalistas de cometer um crime. Aí a coisa pega. O sr. Alberto Cantalice, vice-presidente do PT e “coordenador das Redes Sociais do partido” escreveu um artigo no site do PT em que se pode ler esta pérola.

 Cantalice acusação

Observem que os quatro da lista de Trajano estão também na de Cantalice, que vem ampliada. Não sei o que farão os outros. Sei o que eu farei. Estou anunciando aqui que vou processá-lo. E a razão é claríssima. Ele está me acusando se estimular a que outros “maldigam os pobres” e os discriminem em ambientes públicos. Se eu faço isso, então eu sou um criminoso. Violo um artigo da Constituição e da Lei 7.716, alterada pela Lei 9.459. Vale dizer: transgrido a Carta Magna do meu país e cometo um crime previsto em lei. ENTÃO O SR. CANTALICE VAI TER DE PROVAR O QUE DIZ. ELE VAI TER DE DIZER EM QUE ARTIGO E EM QUE MOMENTO EU PREGUEI A DISCRIMINAÇÃO CONTRA OS POBRES.

Para esclarecer a questão constitucional e legal. Estabelece o Inciso XLI da Constituição:
“XLI – a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”.

Define a Lei 7.716, depois de alterada pela 9.459:
“Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)
Pena: reclusão de um a três anos e multa.(Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)

Como sabem os advogados, a discriminação por condição econômica tem sido considerada pelos juízes da mesma natureza das categorias acima previstas. Assim, o sr. Cantalice acusa esse grupo de jornalistas de cometer crimes que rendem até três anos de prisão. Vai ter de provar. Se não provar, incorre no crime de calúnia e difamação.

Atenção! Este senhor é o  “coordenador da redes sociais DO partido”, entenderam? Não é que ele seja o coordenador do partido para as redes sociais. Não!!! Levadas as palavras ao pé da letra, os petistas julgam já ter privatizado as redes sociais. Não deixa de ser verdade.

O sr. Cantalice vai mais longe, Ele descobriu que esse grupo de jornalistas — e vejam quanto poder ele nos confere — é responsável pela vaia que Dilma levou nos estádios. Também ele recorre à metáfora canina para nos designar. Leiam:

Cantalice acusação 2

Muito bem! Vocês sabem o que isso significa: quando o maior partido político do país, que tem, de fato, milhares de seguidores — alguns deles podem estar dispostos ao tudo ou nada — nomeia um grupo restrito de jornalistas como propagador do ódio, acusando-o, adicionalmente, de responsável por vaiais e xingamentos de que foi alvo a presidente Dilma, isso corresponde, me parece, a um convite a uma ação direta.

Não é segredo para ninguém que certo tipo de militância não precisa de palavras explícitas para agir. O sr. Cantalice está pondo em risco a segurança de profissionais da imprensa. Talvez queira isto mesmo: calar a divergência por intermédio da intimidação e do terror. Que este post sirva de alerta à Polícia Federal e ao Ministério Público. Evidentemente, nenhum de nós deve esperar a solidariedade e o protesto de entidades de defesa da categoria. Sabem por quê? Porque os respectivos comandos da maioria delas pensam a mesma coisa. Também elas acham que deveríamos ser proibidos de escrever o que escrevemos, de falar o que falamos, de pensar o que pensamos. IMAGINEM O QUE ACONTECERIA SE UM GRUPO OU UMA ENTIDADE CONSIDERADOS DE DIREITA TORNASSE PÚBLICA UMA LISTA DE DESAFETOS. O MUNDO VIRIA ABAIXO. O PT repete a tática da ditadura militar e resolveu espalhar no mural da rede os nomes e as fotografias dos “Procurados”. 

Bando de fascistas!
O petismo é a mais perfeita definição do que muitos chamam nos EUA de “fascismo de esquerda”. Qualquer pessoa que tenha lido o que escrevemos ou ouvido o que falamos sabe que pensamos coisas distintas sobre um monte de assuntos. Nunca nem mesmo conversei com Guilherme Fiúza, por exemplo. Duvido que Arnaldo Jabor queira papo comigo.

Com isso, estou deixando claro que não formamos um grupo. Pode ser que os petistas estejam acostumados a conversar com quadrilheiros disfarçados de jornalistas. Não é o caso.

Eu, sim, acuso o governo do seu partido, sr. Cantalice, de financiar com dinheiro público páginas na Internet e blogs cujo propósito é difamar a imprensa independente, as lideranças da oposição e membros do Poder Judiciário que não fazem as vontades do PT. E o senhor certamente não vai contestar porque é autodemonstrável.

O PT começou a sua trajetória no poder hostilizando a imprensa que não se limitava a prestar assessoria ao partido. Depois, passou a financiar o subjornalismo “livre como um táxi”. Aí tentou (e tenta ainda) criar mecanismos de censura. Agora, já chega ao ponto de estimular, ainda que de modo oblíquo, a agressão aos profissionais que não rezam segundo a sua cartilha. A esmagadora maioria da categoria vai silenciar — até porque alguns fazem esse mesmo trabalho em suas respectivas colunas, não é mesmo? Ok. Hoje, somos nós. Amanhã, chegará a vez de vocês. É simples assim. E é sempre assim.

Vaias
Eu sou responsável pelas vaias? Eu não! Quem estimulou as manifestações de rua em junho foi o PT. Eu sempre as critiquei. Ademais, sabem o que motiva vaia em estádio, meu senhor? Eu conto: roubalheira, safadeza, associação com o PCC.

Sem contar que quero encontrar cara a cara com esse sujeito num tribunal. Quero perguntar quais são as suas credenciais e sua origem para falar em nome do povo. Quero opor as minhas às suas. Quero lhe dizer que o governo que ele representa financiou, por exemplo, a ação de sem-terra e índios que resultou em policiais feridos em Brasília. Quero lhe dizer que seus aliados deram suporte a coisas como a “Mídia Ninja” na esperança de que os alvos seriam os adversários. O tiro saiu pela culatra, a despeito das intenções da turma.

O sr. Cantalice quer saber onde estão os responsáveis pela hostilidade a Dilma nos estádios? Comece por se olhar no espelho. O PT estimula a desordem. O PT estimula o desrespeito às leis. O PT estimula o desrespeito a qualquer hierarquia. O PT estimula o desrespeito até mesmo à organização familiar. O partido esperava escapar do clima que ele próprio criou?

De resto, se as hostilidades a Dilma foram um “gol contra” dos que não gostam dela e se a maioria “abominam” (sic) aquele comportamento, o sr. Cantalice deveria estar contente, não é mesmo? O PT está empenhado em fazer do limão uma limonada. Ao isolar o grupo dos “jornalistas do mal”, ameaça, na prática, todos os outros. É como se dissesse: “Comportem-se, ou vocês vão entrar na lista negra”. E, claro!, muita gente vai se comportar e ainda achar pouco!

É claro que fico preocupado quando lembro que o sr. Cantalice pertence ao partido de Celso Daniel. Terei, é certo, de tomar as devidas providências para a minha segurança. E acho que os outros devem fazer a mesma coisa.

REINALDO AZEVEDO, em Veja Online.

24
10/14
12
visualizações

PT fez campanha baseada em mentiras e ataques pessoais.

Quando Luiz Inácio Lula da Silva venceu a disputa presidencial de 2002, o publicitário Duda Mendonça, responsável pela construção do ‘Lulinha paz e amor”, fez uma declaração que viria a se tornar uma espécie de mantra do marketing político. “A democracia brasileira amadureceu e agora está provado que quem bate perde”, afirmou o publicitário traçando um paralelo com a eleição de 1989, quando Fernando Collor de Melo promoveu uma campanha de mentiras e ataques pessoais para derrotar Lula. Depois de 12 anos no poder, o PT, o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma Rousseff, candidata à releição, resolveram desafiar esse mantra e trazem à disputa eleitoral uma sucessão de agressões e mentiras contra seus principais oponentes jamais vista na história recente do País. Também se valem do aparelhamento instalado no governo federal para manipular dados e esconder todos os indicadores que possam prejudicar a candidatura oficial, atentando contra a credibilidade de instituições como o Ipea e o IBGE. “O PT tem promovido uma das campanhas mais sujas da história. O objetivo é se manter no poder a qualquer preço”, afirma a ex-senadora Marina Silva, candidata do PSB derrotada no primeiro turno. “Fui vítima dessa ação difamatória sem precedentes que agora praticam contra o candidato Aécio Neves.”

Abre_Campanha_02.jpg
SEM LIMITES
Com propósitos eleitorais, a dupla Dilma e Lula tem espalhado
acusações sem qualquer fundamento contra o adversário,
Aécio Neves, em comícios pelo País

=================================

Desde o início do processo eleitoral, a campanha de Dilma Rousseff tem se valido da tática do medo e do terrorismo eleitoral para atingir seus adversários. Começou por intermédio das redes sociais e de militantes bem remunerados. Mas, a partir do segundo turno e com as pesquisas indicando a liderança do tucano Aécio Neves, o ex-presidente Lula e a candidata Dilma Rousseff passaram a ser os principais protagonistas dos ataques caluniosos. No sábado 18, durante comício em Belo Horizonte (MG), Lula acusou Aécio de usar violência contra as mulheres. “A tática dele é a seguinte: vou partir para a agressão. Meu negócio com mulher é partir para cima agredindo”, discursou o ex-presidente, referindo-se ao senador mineiro. No discurso, chamou Aécio de “filhinho de papai” e “vingativo”. “O comportamento dele não é o comportamento de um candidato (…) É o comportamento de um filhinho de papai que sempre acha que os outros têm de fazer tudo para ele, que olha com nariz empinado”.

01.jpg

No mesmo palanque, Lula, que como presidente da República determinou que o repórter Larry Rohter, do “New York Times”, fosse expulso do Brasil depois de publicar uma reportagem que o acusava de trabalhar sob efeito de álcool, insinuou que Aécio tem o hábito de dirigir embriagado, pois teria se recusado a se submeter ao teste do bafômetro em uma blitz de trânsito no Rio de Janeiro. A questão é que o candidato tucano já tratou desse tema publicamente. Disse que se arrepende de não ter feito o teste e que estava conduzindo o carro com a carteira de habilitação vencida. Ainda em Belo Horizonte, o ex-presidente Lula comparou Aécio a Carlos Lacerda, o histriônico líder da oposição a Getúlio Vargas, e voltou a mentir ao acusar o tucano de perseguir professores. “Não conheço, em nenhum momento da história, nem no regime militar, um momento em que os professores foram tão perseguidos como foram em Minas Gerais”, disse Lula.

É comum que nas campanhas eleitorais os discursos ganhem tons mais enfáticos. Isso, no entanto, não explica as calúnias cuidadosamente elaboradas pelos marqueteiros da campanha de Dilma. No caso do comício em Belo Horizonte, antes de Lula subir ao palanque, o mestre de cerimônias do evento sinalizou em que se transformaria aquele ato. Ele leu uma carta de uma suposta psicóloga atribuindo a Aécio Neves a prática de espancar mulheres. Acusou o tucano de ter “transtorno mental”, chamando-o de “ser desprezível, cafajeste e playboy mimado”. Na verdade, os ataques proferidos pelo ex-presidente fazem parte de uma bem articulada estratégia de campanha. Na terça-feira 21, três dias depois do comício, as ruas do centro de Belo Horizonte amanheceram repletas de grandes cartazes anônimos com os dizeres em letras amarelas em um fundo negro: “Você vota em candidato que agride mulher?”. É assim, insistindo na mentira, que o PT procura induzir o eleitor e desconstruir os adversários.

Na quinta-feira 23, o jornal britânico “Financial Times” publicou uma reportagem criticando o debate político na reta final das eleições no Brasil. O jornal constatou que o PT vem usando “táticas de difamação” contra seus opositores e cita diversas vezes a ex-senadora Marina Silva como a primeira vítima desse estratagema. “Marina Silva acusa o PT de Dilma Rousseff de usar servidores públicos para espalhar mentiras pelas redes sociais e contatos comunitários, como o alerta de que ela, que é evangélica, iria proibir videogames”, diz o texto do “Financial Times”. “Uma coisa terrível que eles (PT) disseram era que eu sou homofóbica e que uma pessoa gay tentou se aproximar de mim e meus seguranças bateram com tanta força que ele morreu”, afirmou Marina ao jornal. “O tom negativo da campanha tem frustrado muitos membros da crescente classe média baixa do Brasil, que estão desesperados para que os políticos debatam as questões críticas para o bem-estar”, conclui o jornal.

02.jpg

Os exemplos dessa campanha montada em mentiras são inúmeros. Na terça-feira 21, em comício no Recife (PE), Lula usou das calúnias para impor a campanha do medo, apontando o adversário como alguém interessado em dividir o País entre ricos e pobres, Norte e Sul, etc., recurso que, na verdade, o próprio Lula costuma usar sempre que se vê politicamente acuado ou ameaçado de perder o poder. No palanque, o ex-presidente chegou ao cúmulo de comparar Aécio e o PSDB a nazistas. “Eles (Aécio e o PSDB) agridem a gente (nordestinos) como os nazistas na Segunda Guerra Mundial. São mais intolerantes que Herodes, que mandou matar Jesus Cristo.” O discurso provocou indignação. A Federação Israelita de São Paulo e outras entidades judaicas condenaram veementemente as declarações. Alheio às críticas, em seu Twitter, Lula também vem espalhando o terror e na semana passada postou: “O governo do PSDB significa o genocídio da juventude negra”. A escalada das ofensas parece não ter limites para o PT. Na quinta-feira 23, durante ato público no centro comercial de Alcântara, em São Gonçalo (RJ), Lula disse que Aécio nunca trabalhou na vida e que os tucanos gostariam de transformar o Brasil em um país como o da época do Império, quando os pobres não podiam votar. “Antes de terminar o Império só podia votar quem tinha uma determinada quantia de dinheiro. Pobre não votava, índio não votava, analfabeto não votava. É esse o país que eles querem”, disse Lula. No mesmo ato, antes de subir em um carro de som, o ex-presidente voltou a afirmar o que repetidamente vem sendo dito pela candidata Dilma Rousseff: Aécio, se eleito, vai acabar com o Bolsa Família. Na verdade, e Lula sabe muito bem, o senador tucano já apresentou projeto no Congresso que transforma o Bolsa Família em lei, não podendo ser encerrado por qualquer que seja o presidente. Além de Lula, em diversos atos de campanha, a candidata Dilma vem pessoalmente praticando o terrorismo eleitoral. A presidenta já assegurou aos eleitores que Aécio planeja privatizar instituições como Banco do Brasil, Petrobras, os Correios, Caixa Econômica, entre outras, embora o programa de governo apresentado pelo tucano defenda o fortalecimento dessas instituições.

03.jpg

O vale-tudo do PT na reta final da campanha já pode ser constatado em várias cidades brasileiras. Na quinta-feira 23, no Rio, diversos panfletos apócrifos foram apreendidos com um texto colocando o adversário como um “candidato contra o Rio”. Em São Paulo, surgiram nas proximidades da estação do metrô Ana Rosa e também na região da rua Augusta cartazes com os seguintes dizeres: “Aécio é o atraso para o Brasil”. Outro define o tucano como “o inimigo número 1 da educação”.

Não bastassem as mentiras e o terror, a campanha de Dilma também faz um flagrante uso da máquina pública, inclusive manipulando dados sobre a real situação do País. Por causa disso, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) vive uma de suas maiores crises. O instituto foi proibido de divulgar um estudo com dados sobre a miséria social no Brasil, levantado a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Os dados revelariam que os números apresentados pela campanha petista não correspondem à realidade. Temendo possíveis reflexos eleitorais, o Ipea só foi autorizado a divulgar a pesquisa depois das eleições. Ação totalitária fez com que o diretor de Estudos e Políticas Sociais, Herton Araújo, pedisse a exoneração do cargo. Não se trata do primeiro estudo preso nas gavetas do Ipea. Em setembro foi engavetado outro levantamento, feito com base nos dados das declarações de Imposto de Renda de brasileiros, que mostrava que a concentração de renda havia aumentado no Brasil entre 2006 e 2012. São dados que contrariam o discurso recorrente dos governos petistas. 

04.jpg

Também em relação aos indicadores da educação, o governo de Dilma vem usando a chamada prática de Ricupero, ex-ministro do governo Itamar: o que é bom a gente divulga, o que é ruim a gente esconde. As divulgações de dados negativos que poderiam prejudicar a campanha petista foram simplesmente adiadas. Informações atualizadas sobre o desempenho dos estudantes brasileiros em português e matemática e números sobre a arrecadação de tributos só se tornarão públicos depois do segundo turno. Dados sobre o desmatamento e o verdadeiro contingente de miseráveis no Brasil também estão suspensos. No caso da educação, os índices obtidos através de um exame nacional a que são submetidos sete milhões de alunos a cada dois anos tradicionalmente são mostrados até o mês de agosto. Este ano foi diferente. Em setembro, o Ministério da Educação divulgou o indicador que tem como base o ano de 2013, mas não mostrou o resultado em cada disciplina. A divulgação sobre a arrecadação de tributos, normalmente divulgada até o dia 25 de cada mês, também está atrasada.

05.jpg

Sobre o desmatamento, os números que historicamente são revelados mensalmente seguem o mesmo roteiro. Os indicadores referentes a agosto e setembro só serão conhecidos em novembro, depois de terminada a eleição. ONGs internacionais têm afirmado que o índice teria subido 191% entre 2013 e 2014. É assim, com o uso da máquina pública, manipulação de dados oficiais e uma sucessão de mentiras e falsas acusações que o PT, o ex-presidente Lula e a candidata Dilma Rousseff procuram se manter no poder.  

Fonte: Isto é.

24
10/14
11
visualizações

Aécio tem 9 pontos de vantagem, afirma a pesquisa IstoÉ/Census.

Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou dois mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra 45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff. Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente 12,8 milhões de votos. A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. “Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT, 40%.

abre.jpg
CONFRONTO DE IDEIAS
Nos debates, como o da Band, Aécio Neves demonstrou mais
desenvoltura e conseguiu atrair o maior número de eleitores

De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado – 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito à votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista, por 39,4%; 0,2% citou outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.

02.jpg

Para conquistar os indecisos, as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB é ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque as pesquisas internas mostram que a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo.

03.jpg
MOBILIZAÇÃO
Passeata pró-Aécio reuniu quase 15 mil pessoas
no Largo da Batata, em São Paulo

No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, em vez de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas –, os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter à frente do tucano no Estado.

04.jpg

24
10/14
15
visualizações

Denúncia no Facebook.

24
10/14
8
visualizações

Opinião: O momento político brasileiro e a esperança.

Meus amigos e minhas amigas que leem este meu blog, o momento político brasileiro é a coisa mais importante a tratar agora. As amenidades e o noticiário sobre publicidade e marketing  ficam para o final da tarde de domingo, se nós quisermos – todos nós – com o Aécio Neves eleito Presidente da República.

Se Deus é brasileiro, como dizem, há de se somar a este sentimento de mudança, de melhoria na administração do nosso querido país, de melhoria ma vida de todos nós, dos mais necessitados aos bem de vida – com um governo honrado, honesto e trabalhador.

Um Brasil que orgulhe a todos os brasileiros, livre da roubalheira e da incompetência propositada,

Eu acredito! Eu quero!

JJ

24
10/14
8
visualizações

Doleiro Yousseff promete entregar à Justiça números de contas secretas do PT em paraísos fiscais.

Alberto Youssef  (Foto: Aniele Nascimento / Agência de Notícias G/AE)

Os trechos mais quentes da reportagem de VEJA deste fim de semana sobre as confissões à Justiça do doleiro Alberto Youssef, um dos cabeças do esquema de corrupção na Petrobras:

• — O Planalto sabia de tudo!
— Mas quem no Planalto? — perguntou o delegado.
— Lula e Dilma — respondeu o doleiro.

• Na semana passada ele aumentou de cerca de trinta para cinquenta o número de políticos e autoridades que se valiam da corrupção na Petrobras para financiar suas campanhas eleitorais. Aos investigadores Youssef detalhou seu papel de caixa do esquema, sua rotina de visitas aos gabinetes poderosos no Executivo e no Legislativo para tratar, em bom português, das operações de lavagem de dinheiro sujo obtido em transações tenebrosas na estatal. Cabia a ele expatriar e trazer de volta o dinheiro quando os envolvidos precisassem.

• Entre as muitas outras histórias consideradas convincentes pelos investigadores e que ajudam a determinar a alta posição do doleiro no esquema — e, consequentemente, sua relevância pa­ra a investigação —, estão lembranças de discussões telefônicas entre Lula e Paulo Roberto Costa sobre a ampliação dos “serviços”, antes prestados apenas ao PP, também em benefício do PT e do PMDB.

• “O Vaccari está enterrado”, comentou um dos interrogadores, referindo-se ao que o do­leiro já narrou sobre sua parceria com o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto. O doleiro se comprometeu a mostrar documentos que comprovam pelo menos dois pagamentos a Vaccari. O dinheiro, desviado dos cofres da Petrobras, teria sido repassado a partir de transações simuladas entre clientes do banco clandestino de Youssef e uma empresa de fachada criada por Vaccari.

• O doleiro preso disse que as provas desses e de outros pagamentos estão guardadas em um arquivo com mais de 10 000 notas fiscais que serão apresentadas por ele como evidências. Nesse tesouro do crime organizado, segundo Youssef, está a prova de uma das revelações mais extraordinárias prometidas por ele, sobre a qual já falou aos investigadores: o número das contas secretas do PT que ele operava em nome do partido em paraísos fiscais. Youssef se comprometeu a dar à PF a localização, o número e os valores das operações que teria feito por instrução da cúpula do PT.

• Youssef dirá que um integrante da ­coor­denação da campanha presidencial do PT que ele conhecia pelo nome de “Felipe” lhe telefonou para marcar um encontro pessoal e adiantou o assunto: repatriar 20 milhões de reais que seriam usados na cam­panha presidencial de Dilma Rousseff. Depois de verificar a origem do telefonema, Youssef marcou o encontro que nunca se concretizou por ele ter se tornado hóspede da Polícia Federal em Curitiba.

Fonte: Blog do Noblat – O Globo

24
10/14
15
visualizações

IstoÉ Sensus: Aécio lidera, com 9 pontos de vantagem.

Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou 2 mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra 45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff. Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente 12,8 milhões de votos. A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. “Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT 40%.

14983235364_cd8a5e56b2_o.jpg
Aécio Neves seria eleito presidente do Brasil se a eleição fosse hoje, afirma Sensus
De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios  revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado para quem disputa. 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito á votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista por 39,4%. 0,2% citaram outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.
Para conquistar os indecisos as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB e ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio de Janeiro a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os últimos programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque, as pesquisas internas mostram a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo.
No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, ao invés de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas — os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter á frente do tucano no Estado.
PESQUISA ISTOÉ/Sensus
Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01166/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural
Campo – De 21 a 24 de outubro
Margem de erro – +/- 2,2%
Confiança – 95%

24
10/14
10
visualizações

Lula e Dilma sabiam de tudo, sobre a corrupção na Petrobras, e nada fizeram. Por quê?

Capa - Edição 2397

Na última terça-feira, o doleiro Alberto Youssef entrou na sala de interrogatórios da Polícia Federal em Curitiba para prestar mais um depoimento em seu processo de delação premiada. Como faz desde o dia 29 de setembro, sentou-se ao lado de seu advogado, pôs os braços sobre a mesa, olhou para a câmera posicionada à sua frente e se colocou à disposição das autoridades para contar tudo o que fez, viu e ouviu enquanto comandou um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar 10 bilhões de reais. A temporada na cadeia produziu mudanças profundas em Youssef.

Encarcerado desde março, o doleiro está bem mais magro, tem o rosto pálido, o cabelo raspado e não cultiva mais a barba. O estado de espírito também é outro. Antes afeito às sombras e ao silêncio, Youssef mostra desassombro para denunciar, apontar e distribuir responsabilidades na camarilha que assaltou durante quase uma década os cofres da Petrobras. Com a autoridade de quem atuava como o banco clandestino do esquema, ele adicionou novos personagens à trama criminosa, que agora atinge o topo da República. Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro foi taxativo:

— O Planalto sabia de tudo!

— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.

— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.

Conheça, nesta edição de VEJA,  que circula a partir de hoje, os detalhes do depoimento que Alberto Youssef prestou às autoridades.

24
10/14
11
visualizações

Denúncias podem levar ao impeachment de Dilma Roussef.

Aquilo que os petistas tanto temiam desde o começo aconteceu: a operação Lava Jato bateu em Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, e em Dilma Roussef. Eles sabiam da roubalheira vigente na Petrobras. É o que o doleiro Alberto Youssef assegurou à Polícia Federal e ao Ministério Público no curso do processo de delação premiada. Está na capa da VEJA, que começa a circular daqui a pouco. Eis a imagem da capa.

CAPA VEJA SABIA DE TUDO

Eu poderia engatar aqui aquela máxima de Carlos Lacerda sobre Getúlio Vargas, só para excitar a imaginação de Lula, trocando a personagem. Ficaria assim: “A Sra. Dilma Rousseff não deve ser eleita. Eleita não deve tomar posse. Empossada, devemos recorrer à revolução para impedi-la de governar.”

Mas aqueles eram tempos em que as pessoas prezavam muito pouco as instituições, a exemplo de certos partidos que estão por aí. Eu não! Eu prezo a lei e a ordem. Eu prezo a Constituição do meu país. Eu prezo os Poderes constituídos.

Se as acusações de Youssef se confirmarem, é claro que Dilma Rousseff tem de ser impedida de governar caso venha a ser reeleita, mas em razão de um processo de impeachment, regulado pela Lei 1.079, que estabelece:

Art. 2º Os crimes definidos nesta lei, ainda quando simplesmente tentados, são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, imposta pelo Senado Federal nos processos contra o Presidente da República ou Ministros de Estado, contra os Ministros do Supremo Tribunal Federal ou contra o Procurador Geral da República.

E o texto legal estabelece os crimes que resultam em perda de mandato. Entre eles, estão:

- atuar contra a guarda e o legal emprego dos dinheiros públicos;
- não tornar efetiva a responsabilidade dos seus subordinados, quando manifesta em delitos funcionais ou na prática de atos contrários à Constituição;
- proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo;

Se é como diz Youssef — e lembro que ele está sob delação premiada; logo, se mentir, pode se complicar muito — , pode-se afirmar, de saída, que Dilma cometeu, quando menos, essas três infrações, sem prejuízo de outras.

Trecho do diálogo de Youssef com o juiz:
— O Planalto sabia de tudo!
— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.
— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.

Se Dilma for reeleita e se for verdade o que diz o doleiro, DEVEMOS RECORRER ÀS LEIS DA DEMOCRACIA — não a revoluções e a golpes — para impedir que governe. Afinal, nós estamos em 2014, não em 1954.

Reinaldo Azevedo, colunista de Veja

24
10/14
11
visualizações

Lula passa dos limites. Ex-presidente se iguala aos ditadores de plantão ao usar o discurso do medo contra Aécio Neves

169568732.jpg

A forma como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou na campanha para a reeleição de Dilma Rousseff (PT) compromete sua história e vem surpreendendo até mesmo os aliados do governo. Lula tem usado o palanque para se dedicar pessoalmente à desconstrução do candidato Aécio Neves (PSDB), se valendo de argumentos vis, usando as  mesmas armas que Fernando Collor de Mello empunhou contra sua candidatura em 1989. Ataques pessoais e sem compromisso com a verdade têm pautado os discursos do ex-presidente. Ele já insinuou que o adversário teria problemas com bebidas, não respeitaria mulheres, seria nazista e, por último, tem dito que Aécio “não trabalha”. 

Lula mancha a própria biografia ao usar de seu prestígio para espalhar boatos contra a honra do adversário, em vez de referendar as supostas propostas que a candidata Dilma Rousseff possa apresentar ao País. Ao protagonizar uma campanha do medo contra o candidato tucano, o ex-presidente se iguala aos ditadores de plantão que usam o discurso do estado democrático de direito apenas como arsenal retórico.

O terror contra o povo é um instrumento típico do bolivarianismo que graça com fervor em regimes totalitários da América Latina. Com seu posicionamento, Lula alimenta a claque sindicalista que não quer perder o poder e acha possível usar todos os instrumentos – o terrorismo eleitoral inclusive — para manter o status. Mesmo a custa de um assalto notório ao Estado e as estatais, como estamos assistindo nos últimos tempos. Lula mente e acha isso aceitável.  

Fonte: IstoÉ

24
10/14
11
visualizações

Subida de Dilma nas pesquisas faz Bolsa anular ganhos do ano inteiro. E o dólar para o maior patamar em nove anos.

Ibovespa terminou em queda de 3,24%, a 50.713.26 pontos, o menor patamar desde abril

O Ibovespa, principal índice da BM&FBovespa, fechou em forte queda nesta quinta-feira, abaixo dos 51 mil pontos pela primeira vez desde abril, em meio a especulações, posteriormente confirmadas, de que pesquisas previstas para o dia mostrariam aumento da vantagem da presidente Dilma Rousseff (PT) sobre o candidato do PSDB, Aécio Neves, na corrida presidencial, a três dias do pleito.

No fim da sessão, a bolsa brasileira terminou em queda de 3,24%, a 50.713,26 pontos, o menor patamar desde abril, fazendo o desempenho no ano ficar negativo em 1,50% Até a véspera, o resultado acumulado em 2014 estava positivo em 1,75%. Entre os destaques de queda, mais uma vez, estão as ações ordinárias da Petrobras (ON, com direito a voto), que recuou 6,23%, e preferenciais (PN, sem direito a voto), com queda de 7,22%. Além disso, tiveram retração os papéis do Banco do Brasil (- 9,11%), Bradesco (- 6,02%), Itaú ON (- 4,04%) e outras empresas do setor financeiro.

Logo após o fechamento, levantamentos Datafolha e Ibope confirmaram os rumores do mercado. O Datafolha mostrou Dilma com uma vantagem inédita, de 53% dos votos válidos contra 47% do tucano. Na rodada anterior, a situação era de empate técnico: Dilma tinha 52%, e Aécio, 48% dos votos válidos, com margem de erro de dois pontos percentuais. Já o Ibope apontou Dilma com 54% dos votos válidos, contra 46% de Aécio. No levantamento anterior do instituto, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%.

Dólar

 Os rumores na reta final da corrida eleitoral impulsionaram o dólar para o maior patamar em nove anos. Agentes do mercado anteciparam o cenário em que presidente Dilma apareceria à frente de Aécio Neves, fora da margem de erro. A moeda norte-americana subiu 1,35%, cotada a 2,5137 reais na venda, maior nível de fechamento desde 29 de abril de 2005, quando ficou em 2,528 reais. Segundo dados da BM&FBovespa, o giro financeiro ficou em torno de 1,8 bilhão de dólares.

“O mercado não sabe para onde atirar agora nesses últimos dias antes das eleições”, disse o operador de câmbio da corretora Intercam Glauber Romano. “Parece que o mercado está alternando entre o modo de ‘especulação’, quando enche, e o modo de ‘prudência’, quando esvazia”, resumiu o operador de câmbio da corretora B&T, Marcos Trabbold.

Fonte: Veja (Com Estadão Conteúdo e Reuters)

24
10/14
13
visualizações

CNN: “Por que o Brasil quer Dilma fora do poder”.

CNN (Foto: CNN)

Depois da capa da britânica The Economist, bíblia do big business global, agora é a CNN, maior rede internacional de notícias, que fala sobre o desejo de mudança dos brasileiros nas eleições de domingo. Em reportagem intitulada Por que o Brasil quer Dilma fora do poder (Why Brazil wants ‘Dilma out’ of Power), publicada hoje em seu site, na seção iReport, a CNN diz que “os brasileiros estão tomando conta das ruas novamente, desta vez para pedir que os eleitores não votem na presidente Dilma Rousseff”.

Segundo o texto da reportagem, compartilhado por um de seus leitores, Dilma e sua equipe econômica são responsabilizadas pelo resultado pífio da economia em seu governo, pelo intervencionismo excessivo nos negócios e pela alta da inflação. O texto realça o escândalo da Petrobras, que envolve acusações de desvio de recursos para financiamento da campanha eleitoral do PT.

A reportagem destaca também a suspeita que paira sobre Dilma de manipulação de estatísticas oficiais e cita como exemplo a saída de um economista do IPEA (Instituto de Pesquisa de Economia Aplicada), ligado ao governo federal, por ter sido impedido de atualizar indicadores sociais desfavoráveis. Fala também do recente imbróglio ocorrido no IBGE, que quase provocou a saída de sua presidente, Wasmália Bivar. “Manifestantes tomaram ontem as ruas de sete grandes cidades brasileiras”, diz o texto. “Milhares de cidadãos estão mostrando seu apoio ao candidato de oposição Aécio Neves, do partido social democrata de centro-direita.”

ROBERTO FUCS, na revista Época

24
10/14
14
visualizações

Votar contra uma corrupção abissal.

Petista amigo me manda denúncias sobre políticos do PSDB, na doce ilusão de me convencer que os tucanos nao são assim tão …honestos. Sei disso. Tucanos não são ungidos pelos deuses e perfeitos. São falhos, humanos. Acontece meus amigos que estamos às vésperas de uma eleição e o que está em jogo não é o passado do PSDB, mas a corrupção abissal deste atual governo, a maior que já vi em meio século pelo menos.

Votar no PT é dar aval à corrupção. Eles estao no Poder há 12 anos e enraizados nos estados. Mais 4 anos ficará mais dificil ainda mudar a situação. Assim, a hora é agora, domingo. Vamos dar um basta nessa corrupção desenfreada que sangra o país. A economia já está em frangalhos e as conquistas sociais do próprio PT começarão a desmanchar, a ruir se não votarmos na mudança de rumo.

SÉRGIO GASCHAGEN, jornalista

24
10/14
24
visualizações

24
10/14
13
visualizações

Dados são a moeda da nova economia, dizem especialistas.

 

Com o avanço da tecnologia e competição, parece imperativo que profissionais de marketing comecem a se guiar por dados e tomar decisões com base neles. Em um mercado cada vez mais digitalizado e integrado, mensurar, apurar e trabalhar com informações está mais fácil e necessário, mas ainda há resistência na mudança de cultura organizacional e mesmo de mindset de executivos e força operacional.

Não se trata de uma questão de tecnologia, mas sim de business. Durante o Teradata 2014 Partners, evento que discutiu big data e a orientação de empresas por meio dos dados, realizado esta semana em Nashville, nos Estados Unidos, executivos de diversas companhias deram algumas dicas de como as companhias podem começar a evoluir neste sentido.

E foi dado o alerta: empresas que não mudarem sua mentalidade e entenderem que os dados são a “moeda corrente da nova economia” perderão competitividade e mais cedo ou mais tarde estão fadadas ao fracasso, independentemente do setor em que se posicionam.

1. Estratégia vem primeiro (Lisa Arthur, CMO da Teradata)

“Antes de pensar em big data e tecnologia, alinhe a sua estratégia. Desde a diretoria até a operação, é necessário alinhar marketing, tecnologia da informação, vendas e outros departamentos em torno de uma mesma mentalidade. É necessário esclarecer a visão, os objetivos da empresa e todo o caminho do consumidor para ver o que vai mensurar e como”

A executiva ainda tem um livro que aborda mais pontos para uma mudança estratégica.

2. Matemática e criatividade (Robert L. McClarin, diretor de CRM da 7-Eleven)

“Para um marketing baseado em dados, logicamente você precisa entender e trabalhar com estatística e matemática. Entretanto, precisa combinar esse conhecimento com a criatividade e o pensamento criativo para exercitar o seu cérebro e ter o equilíbrio entre essas habilidades como um diferencial”

3. Responsabilidade é a chave (Adam Sarner, vice-presidente de pesquisa da Gartner)

“As companhias precisam elencar responsáveis por problemas e soluções. Precisa haver algum profissional responsável por cada métrica ou o que está havendo naquela situação, se não, ninguém sabe de quem será o sucesso ou o fracasso”

4. Priorização (Robert L. McClarin, diretor de CRM da 7-Eleven)

“Se você não tem um planejamento de que informações vai usar e por qual motivo, começa a coletar todo tipo de dados e acaba não aproveitando nenhum deles como deveria – e hoje o consumidor demanda um retorno para as informações que concede. Então, você precisa traçar uma estratégia clara para mapear o que precisará utilizar para gerar mais valor em ambos os lados”

5. Preparar, apontar, fogo! (Scott Gnau, presidente do Teradata Labs)

“Trabalhar com foco em dados e big data tem tudo a ver com as etapas de se usar um arco e flecha, por exemplo. É preparar, apontar e fogo: primeiro, você precisa preparar o terreno para tal tipo de análise, com profissionais, tecnologia e especialmente estratégia alinhada. Depois precisa mirar nos públicos, entender o consumidor e a indústria para saber o que está para atingir, e finalmente atirar e começar a capturar os insights no que vê. São três situações bem diferentes entre si, mas todas fundamentais. Muitas companhias esquecem de alguma delas, e no final do dia isso faz muita diferença”.

Fonte: propmark

24
10/14
7
visualizações

O risco de uma reeleição de Dilma.

“Se, neste domingo, Dilma Rousseff obtiver a reeleição, estará instalado um governo de crise. A candidata terá sido eleita por metade do país, contra a vontade do eleitorado urbano do Centro-Sul e derrotando as aspirações de mudança que detonaram as manifestações de junho de 2013. Em um cenário de acelerada deterioração econômica, o governo será compelido a restringir o crédito e o consumo, desonrando a nota promissória assinada pela candidata durante a campanha eleitoral.

Refém da máquina do lulopetismo, a presidente que fracassou em seu primeiro mandato precisará inclinar-se a uma série de exigências políticas do PT. Então, lembraremos com saudade dos anos medíocres de Dilma 1. 

O vetor resultante é um governo de crise crônica. Num cenário de estagnação da economia e perda do dinamismo do mercado de trabalho, combatendo surtos inflacionários, ameaçado por desequilíbrios nas contas públicas e externas, o segundo mandato seria assombrado pelos amplos desdobramentos políticos do escândalo de corrupção na Petrobras. Então, uma presidente que perdeu o respeito da opinião pública se converteria em refém das múltiplas, contraditórias exigências de uma coalizão de poder cada vez mais esgarçada.

A linguagem de uma disputa eleitoral não é mero fogo fátuo, que se dissipa na hora da proclamação do vencedor, mas um poderoso indicador do estado do sistema político. A campanha de Dilma pintou seus adversários como “inimigos do povo”, não como lideranças oposicionistas legítimas, e empregou largamente os recursos da difamação e da injúria pessoais.

Num hipotético segundo mandato, seu governo não promoverá a ruptura econômica sonhada pelos insensatos, mas operará na esfera política segundo os critérios definidos nesses três meses de fúria. É só isso que, 12 anos depois, tem a oferecer o lulopetismo. “

DEMÉTRIO MAGNOLI, na Gazeta do Povo.

Página 1 de 1.2551234...1015...Última